1966 - 1985 - Jacuí e Japurá, os Rios da Diva

Em novembro de 1966, em Curitiba, no Paraná, Suzy King se registrou como Jacuí Japurá Sampaio, deixando de usar, a partir de então, o nome Georgina Pires Sampaio.

In 1966, Suzy King or Georgina Pires Sampaio changed her name, becoming Jacuí Japurá Sampaio.


Certidão de nascimento de Jacuí Japurá Sampaio
Fonte: 1º Ofício de Registro Civil de Curitiba, Paraná


Certidão de nascimento de Jacuí Japurá Sampaio 
Fonte: United States Citizenship and Immigration Services

Essa nova identidade parece ter sido cuidadosamente planejada por Suzy King.
Enquanto Jacuí é um importante rio do Rio Grande do Sul, estado natal (pelo menos oficialmente) de Georgina Pires Sampaio, oficialmente nascida em Porto Alegre, Japurá é um importante rio do Amazonas, estado no qual Jacuí Japurá teria nascido em 25 de dezembro de 1934, em Manaus.
Ter nascido no dia 25 de dezembro, aliás, combinava com os nomes escolhidos para os pais de Jacuí Japurá: José e Maria. E não era Jesus “o primeiro e o último”? Pois Jacuí e Japurá eram rios do primeiro e do último estado do Brasil (país que Jacuí Japurá carregava consigo do Sul ao Norte em seu nome), podendo ser considerados os rios da “diva”, já que o pseudônimo usado por Suzy King no início de sua carreira artística era Diva Rios.
Além disso, em suas respectivas línguas de origem, o nome Georgina significa “aquele que trabalha com a terra”, enquanto Japurá significa “aquele que trabalha com a água”. Jacuí por sua vez, significa “água de jacu”. Curiosamente, sobre a cama de Suzy King em seu apartamento em Copacabana havia desde os anos 50 um quadro no qual se via um desenho de um pássaro jacu. A ligação dela com esse pássaro, porém, não foi descoberta.

Jacuí is the name of great river in Rio Grande do Sul the southern state of Brazil where she arguably was born. Japurá on the other hand is the name of another great river in Amazonas, the Brazilian state she claims as her birth place. Actually, Georgina claimed she was born in Manaus, Amazonas in 25 December 1934. It is no big deal being born on Christmas day but Georgina made a point in chosing this particular date. Her parents were declared as being Joseph and Maria, just like Jesus’s.
Come to think of it, Georgina means ‘that who works with earth (geo)’ in Greek while Japurá means ‘that who works with water’ in the indigenous Tupi-guaraní language. Jacuí means ‘jacu’s water’. Curiously, Georgina had the picture of a jacu bird on the wall of her Copacabana flat in the 1950s. 


Detalhe de fotografia de Monteiro de Barros: quadro pendurado sobre a cama de Suzy King em seu apartamento em Copacabana no qual se via um desenho de um pássaro jacu (1956)
Fonte: Fundo Última Hora, Arquivo Público do Estado de São Paulo

Não foi possível descobrir detalhes mais exatos sobre a partida de Suzy King do Brasil, mas o fato é que entre 1966 e 1970, ela parece ter passado pelo Peru, pelo Panamá e pelo México, onde residiu em Tijuana e foi membro da Asociación Nacional de Actores, se apresentando como cantora, bailarina e encantadora de serpentes, anunciada como "la Reina del Amazonas".
Às vezes, nesses países, o nome Jacuí Japurá Sampaio aparecia grafado como Yacui Yapura Sampaio.


El Paso Herald-Post, El Paso, Texas, EUA, 25 de setembro de 1968
Fonte: El Paso Public Library



 La Voz de la Frontera, Mexicali, México, 05 de agosto de 1969
 Fonte: Archivo Histórico de Tijuana


 
 

 La Voz de la Frontera, Mexicali, México, 12 de agosto de 1969
 Fonte: Archivo Histórico de Tijuana

  
La Voz de la Frontera, Mexicali, México, 26 de julho de 1969
Fonte: Biblioteca Virtual BC


La Voz de la Frontera, Mexicali, México, 02 de agosto de 1969
 Fonte: Archivo Histórico de Tijuana


La Voz de la Frontera, Mexicali, México, 07 de agosto de 1969
 Fonte: Archivo Histórico de Tijuana


La Voz de la Frontera, Mexicali, México, 09 de agosto de 1969
 Fonte: Archivo Histórico de Tijuana

Do México, Suzy King foi para os Estados Unidos, onde se casou no dia 05 de janeiro de 1970 com um norte-americano chamado Weldon Jackson Bailey, passando a se chamar Jacuí Japurá Sampaio Bailey (em alguns documentos, Yacui Yapura Sampaio Bailey ou Yacui Yapurra Sampaio Bailey).
Vários indícios, entre eles o fato de que eles nunca moraram juntos, sugerem que o casamento, o sexto de Weldon, tenha sido arranjado apenas para que ela pudesse permanecer nos Estados Unidos.

Suzy King’s life in the USA is mostly a mystery. We only know she married an American citizen called Weldon Jackson Bailey in 5 January 1970, and assumed the name Jacuí Japurá Sampaio Bailey. It looks like it was an arranged marriage for her to become a permanent resident because as far as we know Weldon and Jacuí never lived in the same address.


 Certidão de casamento de Suzy King nos Estados Unidos, já sob o nome Jacuí Japurá Sampaio
Fonte: County of San Diego, Assessor / Recorder / County Clerk


Fonte: United States Citizenship and Immigration Services

Entre 1970 e 1974, Suzy King, residindo em Chula Vista, no condado de San Diego, na Califórnia, tomou uma série de providências no sentido de garantir a sua permanência nos Estados Unidos.



Fonte: United States Citizenship and Immigration Services
 

Fonte: United States Citizenship and Immigration Services


Fonte: United States Citizenship and Immigration Services


Fonte: United States Citizenship and Immigration Services


Fonte: United States Citizenship and Immigration Services


Fonte: United States Citizenship and Immigration Services




 Fonte: United States Citizenship and Immigration Services


Fonte: United States Citizenship and Immigration Services





Fonte: United States Citizenship and Immigration Services


 Fonte: United States Citizenship and Immigration Services



 Fonte: United States Citizenship and Immigration Services

Em 1974, Suzy King se naturalizou norte-americana.


Fonte: United States Citizenship and Immigration Services



Fonte: United States Citizenship and Immigration Services



Fonte: United States Citizenship and Immigration Services


Fonte: United States Citizenship and Immigration Services



Fonte: United States Citizenship and Immigration Services


Certificado de naturalização de Suzy King nos Estados Unidos
Fonte: United States Citizenship and Immigration Services

Em Chula Vista, Suzy King residiu em diversos parques de trailers, muito usuais naquela região. Alguns de seus endereços foram 288 Broadway, 568 Palomar Street e 352 Broadway, todos na zona de meretrício da cidade.
Embora tenha continuado se declarando artista, não foi encontrada nenhuma referência a qualquer apresentação sua realizada nos Estados Unidos.
Mesmo longe do Brasil, Suzy King continuou a escrever aos jornais brasileiros pedindo que publicassem notas nas quais pedia notícias de seu filho Carlos Sampaio de Araújo. As notas foram publicadas algumas vezes, mas Suzy King nunca obteve sucesso em sua busca.

Jacuí Japurá lived in Chula Vista, a San Diego suburb where people live in caravan parks or trailers as they are known in the US.
Even though she continued declaring herself as ‘an artist’ we have not found evidence of any ‘artistic activity’ she could have eventually performed while in the US.
Even living so far away, Suzy kept on writing to Brazilian newspapers desperately seeking news of her beloved son Carlos Sampaio de Araújo. She never had any success in her search for her lost child even though she declared him her ‘nephew’.


O Globo, 27 de março de 1972
Fonte: Acervo O Globo


Jornal do Brasil, 12 de janeiro de 1974
Fonte: Biblioteca Nacional

No dia 09 de agosto de 1985, o corpo de Suzy King foi encontrado no trailer onde ela residia sozinha em um parque de trailers situado em 352 Broadway. Seu marido, segundo seus vizinhos, aparecia uma vez a cada um mês e meio e pouco sabiam dele. Através de papéis e fotografias encontrados no trailer, a polícia apurou que ela era brasileira, tinha apenas cinquenta anos de idade, embora (isso consta no relatório de sua autópsia) aparentasse ser mais velha (Suzy King contava, na realidade, sessenta e sete anos de idade), e fôra bailarina.
Suzy King estava nua e tinha os cabelos grisalhos presos em tranças. Não era possível ter certeza de quantos dias seu corpo, já em estado de decomposição, ficara ali. Morrera sentada no chão acarpetado do trailer e seu corpo só tinha sido descoberto porque o dono do parque de trailers notara que ela desaparecera há vários dias e chamara a polícia.
Não tendo sido possível precisar a causa exata de sua morte, ela foi declarada como “arteriosclerotic cardiovascular disease” em sua certidão de óbito.
Seu marido não foi encontrado e o corpo de Suzy King foi cremado em Pasadena, também na Califórnia, no dia 16 seguinte.

There’s a lot to be known about Suzy King’s life in the USA.
The next thing we know is that in 9 August 1985, Suzy King’s dead body was found by the Police in the trailer she used to live all alone. A neighbour called the cops when he suspected that something was wrong in that particular trailer. He had not seen Jacuí for many days. The cops busted the door open and found the dead body of a naked woman sitting on the carpeted floor of her residence. She had a massive heart attack right there and stayed in the same position for many days. No one could say how long she had been dead.
The neighbours said she had a husband who dropped by almost on a monthly basis. No one knew much about her. The Police rummage through her papers and found out she was a Brazilian native who had been a ballerina. The autopsy records say ‘the corpse is that of a 50 year-old woman but who looks somewhat older’. Suzy was actually 67 years old when she died.

As Mr. Bailey, the husband, was not found, Suzy’s body was cremated at a cemetery in Pasadena where she had bought a plot. Suzy King was not afraid of Death; she had arranged all the papers before It came to collect her body, paying her dues in advance.    


Certidão de óbito de Suzy King
Fonte: County of San Diego, Assessor / Recorder / County Clerk 









Relatório da autópsia de Suzy King
Fonte: County of San Diego, Office of the Coroner

Assim, esquecida pelo grande público, escondida sob o exótico nome Jacuí Japurá Sampaio Bailey, Georgina Pires Sampaio - dançarina, cantora, atriz e faquiresa - , a Diva Rios dos anos 40, mais tarde eternizada como Suzy King, deixava silenciosamente a vida que conduzira de maneira tão estrondosa durante tantos anos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário