1917 - 1940

Georgina Pires Sampaio teria nascido, segundo documentos de identidade expedidos em São Paulo e no Rio de Janeiro a partir de 1938, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, em 28 de agosto de 1917.
Sua árvore genealógica, porém, aponta para a região de Jequié, na Bahia. Foi ali que, no dia 05 de outubro de 1906, Josino Pires Sampaio, seu pai, se casou com Etelvina Ferreira do Nascimento (Etelvina Pires Sampaio ou Etelvina Ferreira Pires), sua mãe.



A certidão de casamento de Josino Pires Sampaio e Etelvina Ferreira do Nascimento, os pais de Suzy King, datada de 1906
Fonte: FamilySearch

Além disso, na certidão de nascimento de Carlos, filho de Georgina nascido na rua São Miguel, em Salvador, em 1932, ela se declarou natural da Bahia.
Talvez por erro do cartório, o nome do pai de Georgina aparece nessa certidão como João Pires Sampaio.
Essa certidão, datada de março de 1937, é a referência mais antiga encontrada sobre Georgina, que na época, residia na rua Carlos Gomes, em Salvador.
A partir de 1940, seu filho, registrado em 1937 como Carlos Alberto Sampaio, em certidão na qual não constava o nome de seu pai, seria declarado filho do major baiano Rodolfo Lopes de Araújo, informação cuja veracidade não foi possível comprovar.

Georgina Pires Sampaio’s real place of birth is involved in a hazy shade. There is no birth certificate available. According to Identification Cards issued by the states of São Paulo and Rio de Janeiro as of 1938, she was born in 28 August 1917, in Porto Alegre-RS, a southern capital.
But almost everything related to Georgina in the early days comes from Jequié, in the state of Bahia, in the northern part of Brazil. We suspect Georgina has doctored her original Birth Certificate to have her place-of-birth in Porto Alegre-RS, a rather more glamorous place to be associated with.
Her father, Josino Pires Sampaio married her mother Etelvina Ferreira do Nascimento (later known as Etelvina Pires Sampaio) in Jequié-BA circa 1900.
Georgina gave birth to her only child Carlos Alberto Sampaio in Rua São Miguel in Salvador-BA in 1932, but she only registered the boy five years later in 1937, when she declared Bahia as her native state. The boy’s father is declared unknown.
Maybe due to a clerk’s mistake Georgina’s father appears as João Pires Sampaio in Carlos’s birth certificate which is actually the oldest document related to Georgina, who lived at the time in Rua Carlos Gomes in Salvador-BA.
As of 1940, whenever there is reference to Georgina’s son, the name of major Rodolfo Lopes de Araújo from Bahia crops up as Carlos’s father. But we have strong suspicions to believe it is not true.




A primeira certidão de nascimento de Carlos, filho de Suzy King
Fonte: Cartório do Registro Civil das Pessoas Naturais da Comarca de Salvador, Bahia - Distrito da Sé



Rodolfo Lopes de Araújo, major baiano apontado nos documentos posteriores a 1940 como pai de Carlos

Pouco mais de um ano depois, em 28 de agosto de 1938, dia no qual completava vinte e um anos de idade, Georgina embarcou no navio Conte Grande em Salvador, Bahia, tendo viajado sozinha, na segunda classe, e aportado em Santos, São Paulo, no dia 31 de agosto. Na ocasião, seu destino era o hotel Concórdia, na capital do estado.
Algum tempo depois, Georgina voltou à Bahia a bordo do navio Comandante Ripper, que tomara em Santos, tendo desembarcado em Salvador no dia 08 de maio de 1939. Poucos dias depois, Georgina voltou a São Paulo, embarcando no navio Itatinga no dia 11 de maio seguinte e desembarcando em Santos no dia 17 de maio, tendo, dessa vez, viajado na primeira classe.
Sobre as informações prestadas por ela à Lista Geral de Passageiros do navio, é importante lembrar que quando Georgina declarava sua profissão como doméstica, não queria dizer que prestasse serviços domésticos e sim que era o que hoje se declara como "do lar", ou seja - que não tinha profissão.

The fact is that Georgina boards the ship Conte Grande that leaves Salvador-BA in 28 August 1938, bound for Santos-SP.




Lista de embarque do navio Conte Grande (Salvador, 28 de agosto de 1938) 
Fonte: FamilySearch








Lista de desembarque do navio Conte Grande (Santos, 31 de agosto de 1938)
Fonte: Museu da Imigração do Estado de São Paulo



Lista de desembarque do navio Comandante Ripper (Salvador, 08 de maio de 1939)
Fonte: FamilySearch
https://familysearch.org/search


Lista de embarque do navio Itatinga (Salvador, 11 de maio de 1939)
Fonte: Arquivo Público do Estado da Bahia




Lista de desembarque do navio Itatinga (Santos, 17 de maio de 1939)
Fonte: Museu da Imigração do Estado de São Paulo




Folha da Manhã, 18 de maio de 1939
Fonte: Acervo Folha

Naquela época, a atividade artística em São Paulo era controlada pelo Serviço de Censura e Fiscalização de Teatros e Divertimentos Públicos, que cuidava tanto dos contratos dos artistas com as casas de espetáculos e companhias quanto das carteiras de registro de artista que eram indispensáveis a todos para que pudessem comprovar que exerciam profissionalmente suas habilidades.
A carteira devia ter importância ainda maior às mulheres, que com o registro tinham a chance de atenuar um pouco o risco que corriam de serem confundidas com prostitutas. Risco apenas atenuado, visto que ser artista, profissional ou não, não lhes favorecia em nada na sociedade de então.
As atividades de Georgina em São Paulo nesse período podem ser em parte acompanhadas pelos expedientes do Serviço de Censura publicados diariamente no "Diário Oficial do Estado de São Paulo". Através deles, é possível saber que os esforços de Georgina da sua chegada até meados de 1940 foram em prol de se estabilizar como artista.

In those times, during the so-called 'New State' (Estado Novo) artistic activities were controlled by the State through their Division of Censorship & Supervision of Public Entertainment. They regulated the entertainer’s contracts with theatres, night-clubs etc. and issued an I.D. card bearing the entertainer’s photo and major information about his career.
For female entertainers this I.D. was particularly important for it was a way the government had to tell them apart from common prostitutes.
Due to this meddling of the State into the entertainers’ lives it is possible to follow Georgina’s career through the years reading the archive-collection of the sedate ‘Official Daily’ (Diario Oficial do Estado de São Paulo).



Diário Oficial do Estado de São Paulo, 12 de julho de 1940
Fonte: JusBrasil




Diário Oficial do Estado de São Paulo, 13 de julho de 1940
Fonte: JusBrasil


Diário Oficial do Estado de São Paulo, 09 de agosto de 1940
Fonte: JusBrasil

No dia 30 de setembro de 1940, Georgina, a bordo do navio Aratimbó, aportou em Salvador e em seu retorno a São Paulo, viajando outra vez na primeira classe, a bordo do mesmo navio, tendo embarcado no dia 05 de outubro seguinte e novamente aportando em Santos, em 11 de outubro, trouxe com ela seu filho - Carlos Alberto Sampaio (conforme a lista de embarque) ou Carlos Alberto Araújo (conforme a lista de desembarque), então com sete anos de idade.

One can see that Georgina traveled back to her native Bahia a year later, on board of ship Aratimbó to fetch her son Carlos Alberto Sampaio (according to the passangers’ list) and being back in Santos-SP in 11 October 1940.


Lista de desembarque do navio Aratimbó (Salvador, 30 de setembro de 1940)
Fonte: FamilySearch
https://familysearch.org/search


Lista de embarque do navio Aratimbó (Salvador, 05 de outubro de 1940)
Fonte: Arquivo Público do Estado da Bahia



Lista de desembarque do navio Aratimbó (Santos, 11 de outubro de 1940)
Fonte: Museu da Imigração do Estado de São Paulo


Correio Paulistano, 13 de outubro de 1940
Fonte: Biblioteca Nacional

De volta à capital paulista, no dia 17 de outubro, Georgina registrou novamente Carlos em cartório, dessa vez como Carlos Sampaio de Araújo. Nessa segunda certidão, o menino ganhava um pai - Rodolfo Lopes de Araújo. De acordo com ela, Georgina e Rodolfo teriam se casado em Jequié, na Bahia.
De fato, Rodolfo Lopes de Araújo atuava como delegado especial da Polícia do Estado em Jequié no início de 1932, quando Georgina engravidou de Carlos. Porém, a suposta certidão de casamento dos dois não foi encontrada e em todos os demais documentos Georgina aparece como solteira.
Anos mais tarde, Carlos seria apresentado à imprensa por ela como seu irmão de criação e também como seu sobrinho. O verdadeiro parentesco entre os dois nunca foi revelado aos jornais da época. O desenrolar dos fatos deixa claro que a volta de Georgina à Bahia em 1940 foi motivada pela busca de Carlos, que passaria a morar com ela e ficaria sob sua responsabilidade dali em diante.

Her son would reappear later in Georgina’s life bearing the name Carlos Sampaio de Araújo and being introduced as Georgina’s baby brother or sometimes as her nephew.  


A segunda certidão de nascimento de Carlos, filho de Suzy King
Fonte: Oficial de Registro Civil das Pessoas Naturais do 6º Subdistrito - Brás, São Paulo, SP






Diário de Notícias, Salvador, BA, 27 de fevereiro de 1932
Fonte: Biblioteca Pública do Estado da Bahia, Salvador, BA

Nenhum comentário:

Postar um comentário